Escapadinha a Amesterdão - I parte

03:00


Amesterdão surgiu no meio de uma conversa com uma amiga que sugeriu fazermos ‘algo’ no feriado do 10 de Junho. Como dia 13 seria feriado em Lisboa tínhamos 4 dias livres e podíamos viajar para o exterior. Grécia? Itália? Londres? Amesterdão? Sim, a Holanda é um lugar bom para uma escapadinha.

Mas foi tudo tão bem planeado que dia 5 de Janeiro comprámos as passagens e começámos a fazer planos, a pensar no hotel, no que visitar. E encontrar hotel em Amesterdão é uma verdadeira aventura, porque o ideal é ficar no centro para fazer as visitas a pé, mas os hotéis no centro são velhos e caríssimos. Num hotel de 1 estrela, só com o básico, uma noite fica para cima dos €100. Se para eles é normal, para nós é uma fortuna!

Mas a escapadinha a Amesterdão correu muito bem e foi uma lufada de ar fresco para descansar da rotina.

Primeiro dia: 


Compramos voo pela TAP para a tarde e chegámos de noite a Amesterdão. Tínhamos transfere privado, que custa a módica quantia de €60 para duas pessoas. É este o valor a pagar por quem chega de noite à cidade e não tem como ir para o hotel. Mas na rua do hotel não passavam carros, e agora? um motorista normal ia-nos levar à porta do hotel, conforme acordado, mas o nosso deixou-nos perdidas no Red Light District, o bairro noturno da cidade. Caminhámos e perguntámos a jovens que estavam a fumar charros de cannabis à porta dos bares. Foram muito simpáticos, mas encontrar o hotel estava complicado. Chegámos à famosa rua, onde as raparigas estão em vitrinas à venda para fazerem programas. A prostituição na rua é ilegal e punível com prisão, por isso, existem clubes e pubs onde trabalham diversas prostitutas e alguns homens que também fazem programa. Para terem noção, existem 370 vitrinas no Red Light District, onde trabalham cerca de 700 prostitutas, maioritariamente de países de leste.

E nós ali perdidas no meio de tanta luz vermelha, com prostitutas a chamarem-nos, porque para ganharem mais dinheiro vale tudo. Mas a nossa sorte para encontrar o hotel foi termos ouvido falar português no meio de tanto inglês. Sim, tivemos a sorte de nos cruzarmos com um casal português que tinha GPS e nos levou até ao hotel. Enfim em casa… foi hora de dormir.

Segundo dia: 


O despertar foi às 7h30 porque tínhamos muito por explorar. Após o pequeno-almoço fomos em direção à Praça Dam, por ruas cheias de lojas de souvenirs. A Praça Dam é a principal ‘plein’ da cidade, onde fica situado o Palácio Real e o Madame Tussaud (Museu de Cera). Depois de observámos a praça e sermos brindadas com uma chuva, percorremos uma rua com lojas de marcas internacionais, cheia de saldos super apetecíveis.

Continuámos a explorar a cidade e vimos uma loja/cafetaria com pastéis de nata, só podia ser portuguesa. Entrámos e estivemos à conversa com a senhora, muito simpática e que nos deu umas dicas.

O dia foi longo, porque o objetivo era visitar o Museu Van Gogh e como íamos ao sabor do vento, sem conhecer o caminho, percorremos cerca de 10km a pé. Almoçámos no Starbucks e continuámos a caminhada.


Enfim a museumplein, a famosa praça dos museus, com o museu Van Gogh e Rijksmuseum, e o museu Stedelijk. Já tínhamos bilhete para o museu vVan Gogh [€18] e fomos para a fila, mas não esperámos mais que 10 minutos. O museu é muito grande, têm lojas e toda a coleção de quadros do pintor holandês. Após a visita estava realmente cansada, deixei-me cair sobre a relva, na praça dos museus, e adormeci. Claro que antes comi uma stroopwafel (doce típico) acabadinha de fazer, acompanhada por um cappuccino ice.

Acordei uma hora depois e fomos de táxi para o hotel porque o cansaço era tantoooo. Deixei-me cair sobre a cama e dormir como se não houvesse amanhã. Acordei perto das 23 horas e fomos sair para jantar. O jantar foi pizza e um sumo num restaurante perto do hotel, onde, segundo a minha amiga, se bebe o melhor café da cidade.

Gostam deste roteiro detalhado? Pois amanhã tem mais que hoje já escrevi imenso e ninguém consegue ler tanto texto.

Talvez também gostes destas histórias!

4 comentários

  1. Uuaaauuu ke viagem fantastika deve ter sido mto divertida... Ke bom faz mto bem viajar... Gostei do roteiro...

    ResponderEliminar
  2. Quanto cobraram para fazer um programa? eu vou à Holanda no próximo mês e gostaria de experimentar um desses serviços. Seria engraçado.

    Aguardo resposta :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu fiz um roteiro e comprei as entradas para os museus na Internet, depois imprimi e levei. O passeio de barco também comprei online, paguei €12/pessoa

      Eliminar
  3. Adorei, quanto custa os meninos?

    ResponderEliminar