11.3.17

Trabalhar num call center, sim ou não?

Bom dia meninas,

O post de hoje não é sobre maquilhagem, nem sobre cosmética, moda ou beleza, porque ao longo destes 27 anos passei por inúmeras experiencias, algumas delas verdadeiras lições de vida, e são essas momentos que quero compartilhar com vocês. 

O tema de hoje é os call centers, sim, aqueles ‘centros de atendimento’ que recrutam dezenas de pessoas diariamente, através de empresas de trabalho temporário e onde as promessas iniciais são bem diferentes da realidade. Quem já foi ao site da net empregos hoje? E quantos anúncios encontraram na vossa área de formação? Agora vejam quantos anúncios há para call centers! 


Primeiro vem a resposta ao anúncio e logo recebemos um telefonema da empresa de trabalho temporário que está a recrutar. Depois vamos à entrevista e o mais provável é que gostem de nós, porque ali toda a gente tem lugar. A segunda parte da entrevista já é na empresa empregadora e é ali que nos explicam qual a nossa função, o que esperam de nós, os requisitos e os critérios da empresa. Quanto ao salário? Pois, essa parte não interessa muito, mas certamente haverá um período de formação em contexto de trabalho onde recebem €2 e pouco à hora, sem direito a subsídio de alimentação. 

No período de formação é um valor aceitável, pois estamos em sala de aula a aprender a teoria e a conhecer os programas, mas quando passamos para a prática, trabalhamos 8h / dia + 1h / almoço e acreditem que alguns call centers têm um período de formação de 3 meses e para isso só tenho uma designação: ridículo! 

Após o primeiro mês trabalhamos igual a qualquer colega nosso, atendemos as mesmas horas, temos o mesmo tempo de pausa, mas ganhamos €400 por mês. 

Não posso apelidar o call center de emprego, pois trata-se de um trabalho temporário e em condições precárias. O contrato é sem termo e quando não precisam das pessoas mandam-nos embora como lixo, sem qualquer aviso, sem qualquer respeito e dignidade pelo Ser Humano. 

Mas aqui as empresas só estão a aproveitar as oportunidades que o Estado lhes oferece, porque se existem formações a começarem mensalmente é porque estas são financiadas e assim é possível ter mão-de-obra a custo reduzido, mesmo que depois daquele período ela seja mandada fora (ah, estamos a falar de pessoas). 

Então isto funciona assim: atender dezenas de chamadas por dia, sempre com um ‘sorriso na voz’, ser avaliado mensalmente pelo desempenho, ser chamado à atenção ao mais pequeno erro, porque depois de horas e horas a trabalhar frente a um monitor e com uns headset nos ouvidos a boa disposição tem que continuar. E não basta sermos operadores num centro de atendimento, temos que ser perfeitos. 

E se mais quiserem saber podem perguntar, porque enquanto houver liberdade de expressão não me vou calar. E sei que fiz um texto com um pouco de humor, algo sarcástico, mas há situações que mais vale rir do que chorar.

7 comentários:

  1. Fizeste bem sair cá para fora o ke guardavas aí dentro...
    Ha coisas ke nao podemos mais guardar e tem ke sair...
    Acredito em tudinho na tua descriçao, mas acho ke com a crise está bem pior...
    Gosteiiiii imenso do post kerida...

    ResponderEliminar
  2. Não é só em call center que as coisas não são justas para quem trabalha. Infelizmente vemos cada vez mais situações ridículas no nosso país e nos mais diversos postos de trabalho. Infelizmente ainda temos que nos sujeitar a algumas injustiças...

    ResponderEliminar
  3. O meu namorado já trabalhou em call center e por isso já sei mais ou menos o que é, mas infelizmente nós em condições de trabalho (e não é só nos call centers) regredimos muitos anos..é horrível a precariedade em que vivemos.. Gostei muito do post, temos que tocar com o dedo na ferida às vezes!

    ResponderEliminar
  4. Adorava saber um pouco mais sobre a tua experiência querida. Deve ser mesmo muito duro trabalhar tantas horas e ganhar 400€. E estar sempre bem disposto!

    THE PINK ELEPHANT SHOE // INSTAGRAM //

    ResponderEliminar
  5. Gostei muito de ler este testemunho!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. eu no ano antes de vir para cá tambem tentei arranjar um desses trabalhos, quando eu vi os contractos ridiculos desisti,
    foram sem duvida um dos impulsionadores para emigrar.

    beijinhos
    http://sramliberdadenegra.com/

    ResponderEliminar
  7. Gostei do post, nunca passei por um call center mas acho que este post está soft.

    ResponderEliminar