Abril || a importância da rádio na revolução de 1974

Meio de comunicação, informação e difusão, a rádio teve um papel importante para o êxito que a revolução de Abril de 1974 alcançou. 


A RTP – Rádio e Televisão de Portugal – era a única estação televisiva existente no nosso país, mas a maior parte dos portugueses ainda não possuíam uma televisão nas suas residências. A sua melhor companhia era a rádio, onde passavam programas de entretenimento, músicas e notícias. E foi precisamente a Rádio Clube Português que informou os portugueses do que estava a acontecer naquela manhã primaveril, do dia 25 de Abril de 1974. 

Lisboa acordara com uma revolução militar, que pôs fim ao regime ditatorial que se vivenciava desde 1933, com o Estado Novo. 

O papel da rádio no golpe militar 

No dia 24 de Abril, pouco antes das 23 horas, a Emissora Nacional transmitiu a canção “E Depois do Adeus”, de Paulo de Carvalho. 

O início do golpe de estado deu-se à primeira hora do dia 25 de Abril, quando a rádio Renascença transmitiu a canção “Grândola, Vila Morena”, de José Afonso. Esta estava proibida de passar nas rádios, porque fazia alusão ao comunismo. 

A Rádio Clube Português foi transformada no posto de comando do “Movimento das Forças Armadas” e ficou conhecida como a “Emissora da Liberdade”. 

Foi através da rádio que a população ficou a saber do que se estava a passar na capital portuguesa e a música de José Afonso colocou um ponto final na ditadura que se vivia em Portugal. 

A rádio como meio de informação e difusão 

Lisboa acordara invadida por militares dos vários regimentos da cidade, mas também de Santarém e Torres Vedras. Na Rádio Clube Português ninguém dormiu e às primeiras horas da manhã o jornalista Joaquim Furtado lê um comunicado, onde apela para que as pessoas mantenham a calma e permaneçam nas suas residências. 

Ao longo de toda a manhã, as emissoras portuguesas noticiaram que Lisboa estava invadida por militares e pediram aos cidadãos para não entrarem em confronto com estes, afim de, evitar situações desnecessárias. 

Através das emissoras, o povo ficou a saber que além das rádios, a RTP e o aeroporto de Lisboa tinham sido ocupados. Estava em preparação um cerco para o Quartel do Carmo, onde se presumia estar Marcelo Caetano. 

Os objetivos da revolução eram claros: derrubar o regime, libertar os presos políticos, pôr fim às guerras coloniais e passar a existir eleições livres. Tudo isto sem se derramar uma gota de sangue. 

Papel da rádio na era pós 25 de Abril 

Depois da revolução que mudou a história do nosso país, as emissoras de rádio passaram a ser livres. A ditadura havia chegado ao fim e nos dias que se seguiram ouvia-se constantemente a canção “Grândola, Vila Morena”. A mesma era considerada um ataque ao governo, por isso, estava proibida. 

Surgiram programas de rádio, os noticiários davam conta do que se passava no país, sem medo de represálias e a rádio, enfim, conseguia cumprir o seu objetivo: informar, informar e informar. 

A revolução colocou fim à ditadura e a nação alcançou a tão esperada liberdade de expressão.

Sem comentários :

Enviar um comentário